Blogue de divulgação de imagens e textos (pessoais e alheios, inéditos ou já publicados) de e sobre a localidade de Vila Viçosa (Évora), Portugal

sábado, 9 de outubro de 2021

[0187] Pergunta difícil (ou nem tanto). Que local (hoje alterado) é este, de Vila Viçosa?















Concurso rapidamente ganho, por calipolense das artes (residente em VV). Ele que se acuse, se assim o desejar. E aqui vai a foto completa, que não requer legenda. Vem do Arquivo Municipal de Lisboa e é da autoria do fotógrafo Artur Pastor. Ainda a avenida era nova e as laranjeiras bebés...


Os três artolas da imagem. Algum será ainda vivo?

[0186] Memória de livros de um calipolense ilustre

terça-feira, 28 de setembro de 2021

[0184] Amanhã, baile no FRAMAR. Mas não se esqueça de levar o convite

O saudoso Café-Restaurante Framar deu cartas em Vila Viçosa e até hoje nenhum do género o conseguiu superar em qualidade e iniciativas, nomeadamente as da sua gerência inicial. Veja-se, a título de exemplo, este convite de um longínquo 29 de Setembro, em que a banda convidada vinha nada mais, nada menos que do lisboeta Hotel Ritz. Enfim, não sabemos como estão as finanças dos calipolenses, mas quem tiver 50$00 pode ir acompanhado de uma dama (ou a dama acompanhada de um cavalheiro) ao Baile de Outono do Framar, abrilhantado por "Jacinto e os seus Gaúchos". Podem reservar mesa pelo telefone... 95, junto do senhor Trindade Martins.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

[0183] Resultado das eleições de "ontem" em Vila Viçosa

Este "ontem" é o "ontem" 17 de Novembro de 1922, dito no jornal "O Alentejo" (Évora) do dia seguinte, obviamente...

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

[0179] 15 anos depois, a colocação da verdadeira oferta do Brasil a Vila Viçosa (ver post anterior)

"Diário Popular" de 27.Janeiro.1955, pág. 11 – UMA COROA DE LOUROS OFERECIDA A VILA VIÇOSA PELO GOVERNO BRASILEIRO (a notícia tem foto da estátua equestre de D. João IV)

Vila Viçosa, 27 – Realizou-se nesta localidade, junto da estátua de D. João IV, uma modesta mas significativa cerimónia – o descerramento de uma coroa de louros, em bronze, oferecida pelo Governo brasileiro a Vila Viçosa em 1940 e que só agora foi colocada na base daquele monumento.

Ao acto, a que presidiu o senhor embaixador do Brasil, o eminente poeta Olegário Mariano, acompanhado dos adidos militar e naval à mesma Embaixada, assistiram também o senhor governador civil substituto, e representantes das câmaras municipais dos concelhos vizinhos, bem como as mais altas individualidades locais, delegados de várias instituições e muito povo.

Usaram da palavra Olegário Mariano, que na sua breve mas eloquente alocução exortou as figuras de calipolenses do passado ligados à história da grande nação irmã, como Martim Afonso de Sousa, Salvador de Brito Pereira, Freire de Andrade e outros, e, por último, o sr. presidente da Câmara Municipal deste concelho, que agradeceu a homenagem prestada pelo Brasil e as elogiosas referências do seu ilustre representante diplomático.

Foto Joaquim Saial

NOTAS NOSSAS: 

Peça idêntica ou muito semelhante está aos pés da estátua de D. Afonso Henriques (esc. Soares dos Reis), em Guimarães.

O presidente da edilidade calipolense era nesta altura o Eng. Leopoldo Barreiros Portas (dirigiu a CMVV entre 1947 e 1958).

[0178] Quando se confunde uma parte com o todo, criam-se mitos que cavalgam montanhas. Fotograma de um filme existente na Internet (ver post seguinte)


[0177] De novo, "Viva 'O Calipolense'" e também o Bencatelense!!!

 


Resultados divulgados a 19.9.2021

domingo, 19 de setembro de 2021

[0176] Jornais preservados em arquivos de calipolenses

Uma amiga nossa enviou-nos algumas imagens de jornais alusivas a Vila Viçosa, uma das quais aqui publicada recentemente. Uma das outras é esta que aqui vemos, datada de 7 de Dezembro de 1943, véspera da inauguração do monumento a D. João IV, de Francisco Franco (escultura) e Pardal Monteiro (pedestal). Daremos a devida importância a esta inauguração, daqui a algum tempo, na sequência das imagens de jornais que temos vindo a divulgar. Fica agora a foto do exemplar guardado no arquivo da nossa amiga e a página completa (e seu seguimento) que tínhamos no nosso.


[0175] Países onde o "Arquivo de Vila Viçosa" é visto desde o seu início, em 16 de Julho de 2019. Com esse grande e inexplicável mistério do interesse da Suécia por coisas de Vila Viçosa


[0174] Era Agosto de 1971 e "O Calipolense" estava na luta pela Taça de Portugal, contra o "Seixal Futebol Clube"


sábado, 18 de setembro de 2021

[0173] Morreu hoje em Jarzé (zona de Angers, França) o professor José-Augusto França. Tinha 98 anos

Interessou-se por Henrique Pousão e por outras temáticas calipolenses, foi meu professor na licenciatura e depois no mestrado, tendo sido meu director de tese de mestrado. Trabalhei com ele, a seu convite, por ocasião da Lisboa Capital Europeia da Cultura 1994. Foi sempre de uma correcção extrema para comigo e muito com ele aprendi. Era um grande estudioso da arte portuguesa, mormente das dos séculos XIX e XX, em que era sem dúvida a maior sumidade. Os que com ele lidaram, colegas e discípulos, sabem que sim. É uma enormíssima perda para a cultura portuguesa. E mais não vale a pena dizer, pois a sua biografia e longa e significativa bibliografia são públicas e estão acessíveis.



[0172] Cheias em Vila Viçosa são coisa velha, não há que admirar... Porque acham que ela é "viçosa"? Veja-se esta notícia de 8 de Março de 1962



[0171] Ainda Bonfilho Faria, num longo texto de nossa autoria sobre a participação de calipolenses na Grande Guerra, que há-de sair no próximo número da Revista de Cultura "Callipole" (ver post anterior)

BONFILHO AUGUSTO FARIA (47)  – 1.º cabo de Infantaria 11 – solteiro – S. Bartolomeu

Pai – Bartolomeu Augusto Faria

Mãe – Maria da Purificação Banha (48)

Prisioneiro – 09.04.1918 / ? (49)

12.10.1917 – Punido com 8 dias de detenção (pelo comandante do Batalhão), alterando para 6 dias de prisão disciplinar (pelo comandante da Brigada), por se apresentar 30 minutos mais tarde à instrução da sua especialidade.

(47) Bonfilho (nome por vezes noutros documentos grafado como "Bomfilho"). Partira para França em 25.06.1917 e desembarcou em Lisboa a 18.01.1919. Foi escultor-canteiro (Monumento aos Mortos da Grande Guerra de Setúbal, por exemplo) e fotógrafo de alguma projecção. A "Revista Portuguesa", de Vila Viçosa, no seu número inicial (Janeiro.1928) ostenta na primeira página um anúncio da Sociedade de Mármores de Vila Viçosa, Lda. (exploração de pedreiras, serração e oficina – os primeiros prémios nas Exposições Industriais de Estremoz de 1926 e 1927, onde Bomfilho (sic) Faria surge na qualidade de director técnico de canteiro-escultor. A "Gazeta dos Caminhos de Ferro" de 01.10.1964, apresenta em termos muito elogiosos na página 13 uma reportagem sobre a exposição de Bonfilho (sic) Faria no Palácio Foz, Lisboa, intitulada "Monografia Fotográfica de Vila Viçosa, a Vila Museu", conjunto de 448 fotografias sobre a terra ducal.
(48) Grafia incerta do apelido.
(49) Soube-se, através da Comissão de Prisioneiros de Guerra, que fora feito prisioneiro e estava internado no campo de Friedrichsfeld (sobretudo para praças, nas proximidades da vila de Wesel, junto à fronteira com a Holanda). Desconhecemos quando foi libertado. Embarcou na Holanda no navio britânico "North West Miller" em 12.01.1919 e que desembarcou em Lisboa a 18 do mesmo mês.

[0170] Monumento aos Mortos da Grande Guerra, Setúbal, fotografado em 15.9.2021

Única obra do género (conhecida) da autoria do canteiro-escultor Bonfilho Faria que por 1928 era director técnico da Sociedade de Mármores de Vila Viçosa, Lda., então com oficina no Campo da Restauração e escritório na Rua Miguel Bombarda ou Corredura (onde, por exemplo, também se situavam as lojas de José Francisco Santos (barbearia), Honório da Silva Nepomuceno (café) e de Manuel Fernandes Canhão (Mercearia Luzitania). Esta rua teria depois o nome de António de Oliveira Salazar e actualmente possui o de Florbela Espanca. O monumento foi inaugurado em 22 de Novembro de 1931, no mesmo dia do de Lisboa.

sexta-feira, 17 de setembro de 2021

[0169] Dezembro.1981 - O "Há Tanta Ideia Perdida", órgão do Centro Cultural Popular Bento de Jesus Caraça

Na sequência de jornais que temos vindo a apresentar por ordem cronológica, voltamos um pouco atrás, para lembrarmos o órgão do Centro Cultural Popular Bento de Jesus Caraça (então instalado no Paço dos Bispos Deões, no Terreiro do Paço) que nos chegou ontem, através de mão amiga calipolense.




quinta-feira, 16 de setembro de 2021

[0168] Versão antiga do brasão de Vila Viçosa

 

[0167] Uma visita de estudo a Vila Viçosa e Elvas, em 1957

História simples e curta: a 26 de Maio de 1957, os "Amigos de Lisboa" estiveram em Vila Viçosa, em visita de estudo. A 9 de Maio, foi-lhes distribuído um desdobrável (por sinal, temos um idêntico no nosso arquivo) e a 26 realizou-se a prevista passeata. O pessoal foi de autocarro, como seria de esperar naquela época, e a senha que mostramos é a da viatura n.º 4, lugar 7. Desconhecemos quem seria o "Amigo de Lisboa" que tinha estes dois exemplares, mas temos quase a certeza de que se divertiu e sobretudo aprendeu, durante a sua passagem pela velha Calipole (e por Elvas, claro).


[0166] Junho.1986 - N.º 7 do "Arauto da Padroeira", propriedade da Confraria de Nossa Senhora

 Dentre as notícias, sobressai uma que é MESMO para rir... a última, claro!...

Imagem ligeiramente truncada

domingo, 12 de setembro de 2021

[0164] Novembro.1984 - N.º 1 do "Arauto da Padroeira", propriedade da Confraria de Nossa Senhora

Desdobrável em seis páginas, com "altura" ligeiramente superior à das folhas A4, apresentava-se dirigido pelo Reitor do Santuário de N.ª Sr.ª da Conceição e propriedade da Confraria de Nossa Senhora, com administração na Rua Florbela Espanca, n.º 66, Vila Viçosa. Fotocomposição e impressão na Gráfica Eborense, no Largo das Portas de Moura, 25, Évora.

Dele retirámos uma imagem da presença do Papa João Paulo II acompanhado de D. Maurílio Gouveia em Vila Viçosa, a 14 de Maio de1982, e um texto assinado "J. A. A." que é o cónego José Augusto Alegria (nascido em Évora em 1917 e ali falecido em 2004), autor de longa obra publicada em livro, entre a qual um polémico trabalho sobre Florbela Espanca e o seu monumento de Évora. O cónego Alegria interessou-se pela história da música em Vila Viçosa, sendo dele uma "História da Capela e Colégio dos Santos Reis de Vila Viçosa", publicada pela Fundação Calouste Gulbenkian em 1983. Quanto ao tal conservatório de que ele fala...

Imagem ligeiramente truncada